(relatora: Manuela Fialho) O  Tribunal da Relação de  Lisboa considerou que «não constitui causa de desoneração da responsabilidade, por não integrar o conceito de força maior, o evento lesivo decorrente de uma picada de aranha, ocorrido no local e no tempo de trabalho quando a sinistrada executava as funções que lhe foram determinadas».

Consulte, aqui, o texto da decisão.